terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Quando surgiu o batismo em águas?

 Pergunta trazida por Ana:
Bem, tive uma dúvida com relação ao batismo, fui pesquisar, mas não encontrei resposta, apenas textos explicando o que é o batismo, quem puder responder eu agradeço.

A Bíblia fala em Mt. 3 sobre o batismo... vimos que a prática do batismo já existia antes de Jesus começar o seu ministério: "Naqueles dias surgiu João Batista, pregando no deserto da Judéia. Ele dizia: 'Arrependam-se, pois o Reino dos Céus está próximo'".

Então, o batismo por imersão com o fim simbólico de limpar, se lavar dos pecados, já exisitia... e a dúvida seria: quando o batismo EM ÁGUAS começou a ser praticado? em que momento entre o A.T. e o N.T. foi eliminado a circuncisão como sinal de pureza e passou-se a adotar o batismo?
_________________________________________________

Respondendo:
Bom, vou escrever alguns textos sobre o assunto tirados de três livros:

1. "Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã"; editada pela Edições Vida Nova; Editor Walter A. Elwell, pg.148-161.
2. "O Novo Dicionário da Bíblia"; Edições Vida Nova; Organizado por J. D. Douglas; pg.196-199.
3. "Enciclopédia de Bíblia, Teologia e Filosofia - Volume 1"; editora Hagnos; de R; N; Champlin; pg.456-474.

Enciclopédia Histórico-Teológica da Igreja Cristã:
"Derivado da palavra grega baptisma, "Batismo", denota a ação de lavar ou mergulhar na água, que desde os tempos mais antigos (At 2:41) tem sido usado como o rito da iniciação cristã. Suas origens tem sido procuradas nas purificações no AT, nas ilustrações das seitas judaicas, e nas lavagens pagãs paralelas, mas não pode haver dúvida alguma de que o batismo, conforme o conhecemos, começou com João. O próprio Cristo, tanto pelo precedente (Mt 3:13) como pelo preceito (Mt 28:19), nos dá autoridade para sua observância. Com este fundamento, tem sido praticado por quase todos os cristãos, embora tentativas tenham sido feitas para substituí-lo por um batismo de fogo ou do Espírito, em termos de Mt 3:11.

Fica razoavelmente certo de que a imersão era a prática original, e assim continuou até a Idade Média. Os reformadores concordavam que a imersão ressaltava melhor o significado do batismo como morte e ressurreição,...

... Um indício do significado do batismo é oferecido por três figuras no AT:

1. O dilúvio: 1 Pe 3:19-20 - "... no qual também foi e pregou aos espíritos em prisão que há muito tempo desobedeceram, quando Deus esperava pacientemente nos dias de Noé, enquanto a arca era construída. Nela apenas algumas pessoas, a saber, oito, foram salvas por meio da água,...".
2. O Mar Vermelho: 1 Co 10:1-2 - "Porque não quero, irmãos, que vocês ignorem o fato de que todos os nossos antepassados estiveram sob a nuvem e todos passaram pelo mar. Em Moisés, todos eles foram batizados na nuvem e no mar".
3. A circuncisão: Cl 2:11-12 - "Nele também vocês foram circuncidados, não com uma circuncisão feita por mãos humanas, mas com a circuncisão feita por Cristo, que é o despojar do corpo da carne. Isso aconteceu quando vocês foram sepultados com ele no batismo, e com ele foram ressuscitados mediante a fé no poder de Deus que o ressuscitou dentre os mortos".


Todas estas figuras referem-se de modos diferentes à aliança divina, ao seu cumprimento provisório num ato divino de julgamento e de graça, e ao cumprimento vindouro e definitivo no batismo da cruz. A ligação entre a água e a morte e a redenção é especialmente enfatizado na terceira.

Quando chegamos à ação propriamente dita, há muitas associações diferentes; porém mutuamente relacionadas. A mais óbvia é a da lavagem em Tt 3:5 - "não por causa de atos de justiça por nós praticados, mas devido à sua misericórdia, ele nos salvou pelo lavar regenerador e renovador do Espírito Santo,", sendo que a água purificadora é ligada com o sangue de Cristo, por um lado, a com a ação purificadora do Espírito, por outro lado (veja 1 João 5:6 e 8 - "Este é aquele que veio por meio de água e sangue, Jesus Cristo: não somente por água, mas por água e sangue. E o Espírito é quem dá testemunho, porque o Espírito é a verdade... o Espírito, a água e o sangue; e os três são unânimes".), sendo que, assim, somos levados imediatamente à obra divina da reconciliação. Uma segunda associação é aquela da iniciação, adoção ou, mais especialmente, regeneração (Jo 3:5 - "Respondeu Jesus: “Digo-lhe a verdade: Ninguém pode entrar no Reino de Deus, se não nascer da água e do Espírito"., sendo que, mais uma vez, a ênfase recai sobre a operação do Espírito em virtude da obra de Cristo.

Estes temas diferentes acham seu enfoque comum no pensamento primário do batismo (no poder destruidor, porém também vivificante, da água) no sentido de afogar-se e emergir à nova vida, i.é, morte e ressurreição (Rm 6:3-4 - "Ou vocês não sabem que todos nós, que fomos batizados em Cristo Jesus, fomos batizados em sua morte? Portanto, fomos sepultados com ele na morte por meio do batismo, a fim de que, assim como Cristo foi ressuscitado dos mortos mediante a glória do Pai, também nós vivamos uma vida nova").

Mas aqui, também, o que a ação realmente testifica é a obra de Deus na morte vicária e ressurreição de Cristo. Esta identificação com os pecadores, no julgamento e na renovação é aquilo que Jesus aceita quando vem para o batismo de João, e o que Ele cumpre quando toma Seu lugar entre dois ladrões na cruz (Lc 12:50 - "Mas tenho que passar por um batismo, e como estou angustiado até que ele se realize!"). Aqui temos o verdadeiro batismo do NT, que torna possível o batismo da nossa identificação com Cristo e subjaz o sinal exterior, pelo qual é confirmado. Como a pregação e a Ceia do Senhor, "Batismo" é uma palavra evangélica que nos diz que Cristo morreu e ressuscitou em nosso lugar, de modo que nós morremos e tornamos a viver nEle, e através dEle (Rm 6:4 e 11 - "Portanto, fomos sepultados com ele na morte por meio do batismo, a fim de que, assim como Cristo foi ressuscitado dos mortos mediante a glória do Pai, também nós vivamos uma vida nova... Da mesma forma, considerem-se mortos para o pecado, mas vivos para Deus em Cristo Jesus".)”.

O Novo Dicionário da Bíblia:
J. D. Douglas praticamente nos oferece o mesmo conteúdo dos tópicos anteriores. Por isso, não há necessidade de repetir a mesma abordagem.

Enciclopédia de Bíblia, Teologia e Filosofia:
R. N. Champlin nos traz alguns acréscimos interessantes:

"Os ritos de iniciação e purificação são antiquíssimos, sendo comuns praticamente a todas as religiões. As purificações estavam ligadas ao nascimento, à morte, à guerra e ao contato com os mortos ou com supostos espíritos. Nas religiões primitivas, acreditava-se que a água envolvia alguma espécie de vida, mormente no caso de águas que manam do solo e se movem sob a forma de ribeiros ou rios. Até mesmo lagos e oceanos, que demonstram movimento à superfície de suas águas, eram tidos como investidos de vida. Na religião dos antigos gregos encontramos muitas alusões poéticas a tais crenças. Na Ilíada, encontramos o rio vivo, divino e personificado de Escamander, bem como as águas constantes da poesia grega. Na Índia, as águas do santo rio Ganges são especialmente valorizadas comno purificadoras. No culto de Isis, o rio Nilo figurava de forma proeminente, e suas águas eram levadas até mesmo a países estrangeiros, com o propósito de servirem em ritos religiosos. Os antigos teutões e celtas tinham ritos de iniciação e purificação que envolviam o elemento água, muito antes do cristianismo haver chegado às suas terras. Os romanos davam nomes e reconheciam a paternidade através do uso da água. Entre outros povos, era praticado um certo rito de batismo com sangue e saliva".

O mais, Champlin trará o mesmo conteúdo dos demais acima citados.

Completando:
Há algumas questões que gostaria de ressaltar antes de concluir:

1. É interessante observar que João Batista simplesmente aparece operando a prática do batismo. De onde ele se baseou para fazê-lo? Não sabemos. Pressupomos que o tenha feito em obediência à Deus como o último profeta da antiga aliança que anunciava a nova aliança em Cristo. Digo isto, porque não se tem em nenhuma outra cultura ou religião a aplicação do batismo da forma como João nos trouxe e foi aprovado por Cristo. Este modo de batismo por sua vez foi adotado pelos discípulos de Cristo e perdura até os dias de hoje.
2. É que o NT faz a ponte e nos revela o significado deste e porque sua forma era aplicada como era (imersão), ligando isto ao dilúvio (Noé); a circuncisão (Abraão) e a Moisés (Mar Vermelho). Dentro disso, o NT liga o batismo a obra de Cristo na cruz. É importante observar que em todos estes casos veterotestamentários, o dilúvio está ligado a situações de rompimento com algo anterior e passagem para um novo tempo, pacto ou aliança:

* O dilúvio sepultou o mundo antigo e trouxe o novo mundo quando Deus faz um pacto com Noé;
* A circuncisão trouxe o pacto entre Deus e sua descendência;
* Em Moisés, o Mar Vermelho rompe a escravidão egípcia e conduz o povo em direção a terra prometida.


Todos estes exemplos veterotestamentários apontam para a nova aliança em Cristo por meio do sangue e da água!

Nenhum comentário:

Postar um comentário